Casa do Horizonte

LPA_CDH_01_20cm

Existem medidas e relações espaciais na arquitetura, que se tornaram lugares comuns, muitas vezes impostas, como o facto que o comprimento de um quarto não deve superar o dobro da sua largura ou que geralmente a sua largura seja mais ou menos igual ao dobro da sua altura.

LPA_CDH_03 20cm
Quando temos a audácia de contornar estas proporções e as regras comuns da linguagem arquitetónica, pode-se introduzir em uma obra, uma precisa sensação, que abate os preconceitos do imaginário coletivo, transformando a liberdade da composição arquitetónica, em poesia.

LPA_CDH_02_20cm
O projeto da Casa do Horizonte quer fazer isso, comprimindo e dilatando as proporções do espaço difunde-se uma sensação de paz, diminui a tenção, o olhar acalma-se e quem habita a casa vive essa mesma distensão.
O projeto, portanto, segue a longa linha do horizonte, interrompida somente por um vazio que é um intervalo, uma fuga, uma pausa, o seu centro, rigorosamente não baricêntrico.
Esta interrupção à longitudinalidade da casa, hospeda a grande zona de viver, que graças aos seus envidraçados, elimina o limite entre interior e exterior, porque um é a continuidade do outro, tornando-se um único espaço aberto.

LPA_CDH_ALCADO
Esta pausa arquitetónica sai do longo volume, graças à continuidade do seu solarium, estendendo-se ortogonalmente em direção à paisagem, introduzindo uma nova axialidade à linha principal.
A casa, por isso, é caracterizada por um forte oculto dinamismo, vivendo de duas grandes forças: o movimento linear contínuo da casa longa e aquele oposto centrífugo, do grande vazio, que se estende em direção a paisagem.
O eixo que sai, forte e decidido, conclui-se no emocionante espelho de água que se funde com a paisagem.

LPA_CDH_PLANTA
A escolha da horizontal dilatação espacial, é em contratendência à época atual, àquele dinamismo vertical do mundo citadino. O verdadeiro luxo é o contacto com a terra e o querer-se radicar, circundados por uma paisagem incontaminada no horizonte. Assim nasce a Casa do Horizonte, uma ode ao horizonte.

 

FICHA TÉCNICA
Arquitetura: LOPES PERTILE ARCHITECTS
Imagens 3D: Simone Antonelli Images

Designação: Casa do Horizonte
Função: Habitação Unifamiliar
Localização: Ponte de Lima, Viana do Castelo
Data conclusão da obra: A definir

 

FOTO gabineteLOGOTIPOLOPES PERTILE ARCHITECTS é um atelier luso-italiano que tem as suas raízes na arquitetura contemporânea portuguesa e que mete nos próprios projetos toda a bagagem cultural de experiências maturadas em Itália, Portugal e Estados Unidos da América.
Achamos que seja necessário pensar globalmente, mas agir localmente respeitando o lugar, a economia e a cultura onde intervimos.
A arquitetura é o resultado do trabalho de uma equipa, de uma contínua colaboração com as excelências em cada campo. Portanto, em um panorama no qual a comunicação de imagens se tornou cada vez mais homologada, é essencial criar uma alternativa confiando na maestria comunicativa de Simone Antonelli Images.
O Atelier segue os seus projetos desde o seu conceptual nascimento criativo até à sua rigorosa construção.
Portugal permite-nos ser “arquitetos artesãos” onde cada elemento e detalhes possíveis do projeto são desenhados e construídos à medida, tornando-se único porque é irrepetível, em claro contraste com a serial tendência atual.
Para nós o detalhe na Arquitetura é o reflexo do todo, o detalhe é a chave do todo e nós chegámos ao todo só através do detalhe.

 

GABINETE:

LOPES PERTILE ARCHITECTS

Comentários:

Deixe uma resposta

Tem de iniciar a sessão para publicar um comentário.