Quinta do Carmo I 2 UNIDADES DE ALOJAMENTO INSERIDAS EM TURISMO RURAL. Conheça o Atelier aqui!

Revista Anteprojectos - Novembro 2018 - pg16a

O projecto prevê a criação de duas novas unidades de alojamento inseridas numa quinta de turismo rural, assim como algumas melhorias e ampliações a estruturas existentes.

A arquitectura vernacular doméstica e agrícola locais foram usadas como suporte para a criação das novas
edificações que devem ser inseridas num contexto de quinta rural com edificações dispersas e de épocas diversas.

Os elementos “balcão” ( terraço) com escada de acesso à casa no piso superior são recorrentes nas casas rurais tradicionais dos Açores. Já na arquitectura de caracter agrícola fascinavam-nos os mirante de pedra que pontuam as quintas de fruta.

Estes elementos caraterísticos deram origem à “Casa Mirante”, uma tipologia T0 com acesso exterior a um terraço.

Partindo-se de um volume com telhado a duas águas, elevou-se parte da cobertura de modo a criar uma parte plana e “escavando” esta área criou-se um terraço que oferece uma nova vista sobre a propriedade e o oceano. O terraço é acessível por escadas exteriores tal como nas casas tradicionais açorianas. A casa mirante oferece um espaço exterior extra aos clientes onde poderão usufruir de maior privacidade e uma nova vista.

A segunda tipologia é a “Casa Torre”, um T1 em que a área social se encontra no rés do chão e o quarto de cama no superior com as melhores vistas. A cobertura assimétrica enriquece o espaço interior e modela o volume de forma a aparecer mais integrado no conjunto. Ao dividir o programa em dois andares libertou-se a área ajardinada, dando maior amplitude e sensação de privacidade entre as unidades.

Revista Anteprojectos - Novembro 2018 - pg16b

Procurou-se portanto incorporar elementos identificativos da arquitectura vernacular dos Açores numa arquitectura contemporânea sóbria de base funcional onde prevalecem tanto o conforto como a harmonia com o contexto circundante, procurando evidenciar as potencialidades do lugar.

Revista Anteprojectos - Novembro 2018 - pg16c Revista Anteprojectos - Novembro 2018 - pg16dGiacomo Mezzadri e Joana Oliveira são o Mezzo Atelier, um jovem escritório luso / italiano que gere em paralelo um atelier de arquitectura e um laboratório de auto construção. Desde 2013, os dois arquitectos com diferentes percursos profissionais, operam um atelier multidisciplinar dando vida a projectos de arquitectura, interiores, arquitectura efêmera, mobiliário e objectos.
Inspirado no conceito de arte global criado pela Bauhaus, o atelier tem como objectivo criar espaços e objectos como um todo, de modo a atingir um alto nível de personalização para cada projecto e cliente.
O controle de cada etapa do projecto é fundamental, dai trabalharem desde o conceito até à produção e realização das suas peças no laboratório, sempre que a escala o torna possível. Esta abordagem torna possível depender menos de terceiros e explorar e desenvolver as suas peças e protótipos de forma mais independente. Fascinados pelas técnicas artesanais, dão vida a tradições através das suas peças contemporâneas, associando métodos antigos a novas tecnologias.
O atelier já expôs seu trabalho em exposições e conferências em Itália e Portugal, recentemente foi galardoado com o prémio regional de Arquitectura “Paulo Gouveia” com a obra Pink House na ilha de São Miguel. Dos seus clientes e projectos destacam-se o festival de Arte Pública Walk&Talk com o qual tem colaborado ao longo dos anos; o centro cultural Base Milano, o restaurante “Locanda” em Amsterdão e a cervejaria Beershow em Milão.

Projectos em carteira:
– Pink House (Açores)
– Locanda ( Amsterdão)
– Beershow ( Milão)

Gabinete

MEZZO ATELIER

Comentários:

Deixar uma resposta

Tem de ter a sessão iniciada para publicar um comentário.