Ponte Verde

FORA_PonteVerde_imagem_destaque

A história deste lugar começa com o Palácio de Queluz.
O palácio é a génese de um território que nas últimas décadas se alterou profundamente devido à forte pressão urbanística e ao traçado das infraestruturas. O IC19, cumprindo a sua função de ligação territorial, cortou abruptamente este território à escala local, truncando não só as relações físicas entre os espaços mas também as suas relações históricas, sociais e culturais.

FORA_PonteVerde_imagem2

A presente proposta procura não só coser fisicamente o território dividido pelo IC19 mas principalmente dotar estas ligações de programa, significado e qualidade espacial, criando uma rede de espaços de grande valor paisagístico, patrimonial e social que envolve o Palácio e o recoloca no centro deste lugar.

FORA_PonteVerde_imagem3

A requalificação do Outeiro das Forcadas e da Azinhaga da Ribeira de Carenque consolida, em torno do Palácio, uma zona verde de proteção e enquadramento, estruturada por uma rede de percursos que combinam as deslocações quotidianas e os tempos de lazer da população com vistas privilegiadas para o Palácio e os seus jardins.

FORA_PonteVerde_imagem4

O encontro entre vida quotidiana e património histórico culmina na ponte verde. É nesta praça circular, elevada sobre a via rápida, que a dinâmica do quotidiano desacelera para se encontrar com os percursos geométricos dos jardins do Palácio. Os habitantes das zonas envolventes, nas suas deslocações do dia-a-dia, vêem-se inesperadamente imersos neste jardim circular que prolonga o verde dos jardins do Palácio para a Matinha de maneira ininterrupta. A ponte circular é também um miradouro com vista privilegiada sobre os jardins do Palácio e paisagem envolvente. A geometria da ponte recorda as praças circulares dos jardins barrocos: um momento de pausa e encontro, onde o visitante se orienta e escolhe o próximo caminho a seguir.

Ponte1_corte1-200

 

Escritorio_FORAlogo FORAFORA é um colectivo de arquitectura fundado em 2009 por João Fagulha, Raquel Oliveira e João Ruivo. O escritório funciona em permanente colaboração com outros profissionais de diferentes nacionalidades, na elaboração de projectos de arquitectura e urbanismo no contexto europeu.
O trabalho tem como tema de investigação permanente a relação entre o domínio público e o privado, explorando o papel da arquitectura como a última ferramenta social.
O escritório foi premiado em diversos concursos internacionais, entre os quais se destacam o 1º prémio no concurso “Upto35”, para a construção de uma residência de estudantes no centro de Atenas, o 1º prémio para a Escola de Mem Martins no concurso “Inovação e Qualidade nos Espaços Escolares”, organizado pela Europan e Parque Escolar, e o 1º prémio no concurso internacional para a renovação da Praça Central de Plovdiv, na Bulgária. Em 2013, FORA foi finalista do concurso internacional “Nordic Built Challenge” em Ellebo, Dinamarca. O escritório ficou ainda classificado em 2º lugar nos concursos “Bairro Social da Boavista”, “Europan 10” em Lisboa “Ponte Verde” em Queluz, e “Plateia Teatrou” e “Room18” em Atenas.
Os projectos desenvolvidos pelo escritório foram alvo de publicações, e participaram em várias exposições, das quais se destaca a Bienal de Veneza de 2012.

Projectos em carteira:
– remodelação de apartamento no Barreiro
– reabilitação de edifício, Santarém
– habitação unifamiliar, Aroeira
– reabilitação de dois edifícios para Turismo de Habitação, Lisboa
– reabilitação de edifício para habitação, Lisboa
– empreendimento de turismo rural, Melides

Comentários:

Deixar uma resposta

Tem de ter a sessão iniciada para publicar um comentário.